Homens na Cerâmica

Homens na Cerâmica

Pesquisa feita por Rogerio Carvalho Silva ( Ceramista) do Sou Cerâmica. Semanalmente farei publicações sobre o papel dos homens no mundo extraordinário e mágico da Cerâmica onde as impossíveis possibilidades são incontáveis.

Nossa primeira aventura neste mundo da Cerâmica Masculina tem como palco as Tribos Indíginas da antiguidade.

 Impressões digitais antigas mostram homens e mulheres que fizeram cerâmica no sudoeste americano

 Há muito tempo considerando o trabalho principalmente de mulheres, uma nova análise de fragmentos de cerâmica mostra que ambos os sexos criaram cerâmica no Chaco Canyon (New Mexico – USA)

 University (Universidade do norte da Flórida)

 Por Jason Daley

 SMITHSONIANMAG.COM

 4 DE JUNHO DE 2019

 Nas comunidades Pueblo do Novo México e Arizona, a cerâmica é uma habilidade que é tradicionalmente passada de avós e mães para mulheres mais jovens da comunidade.  Pensa-se que esse costume tivesse origens antigas, e os arqueólogos acreditavam que cerca de mil anos a cerâmica era criada principalmente por mulheres no que hoje é o sudoeste dos Estados Unidos.  Mas um novo estudo de cerâmica em Chaco Canyon, no noroeste do Novo México, centro da cultura ancestral dos Pueblo ancestrais de 800 a 1.200 anos atrás, mostra que homens e mulheres estavam sujando as mãos a taxas quase iguais.

 Michelle Z. Donohue, da National Geographic, relata que a revelação vem de uma fonte incomum: impressões digitais deixadas em cerâmica.  O estilo dominante de cerâmica no Chaco era o papelão ondulado, que envolve a combinação de camadas de argila enrolada usando o polegar e o indicador, deixando antigas impressões digitais para trás.  Vários anos atrás, David McKinney estava trabalhando em uma delegacia de polícia, onde estava cercado por impressões digitais.  Ele sugeriu ao seu então conselheiro John Kantner, da Universidade do Norte da Flórida, que a perícia digital moderna poderia revelar algo sobre as pessoas juntando todos esses vasos.

 Kantner encontrou uma pesquisa recente mostrando que é possível distinguir entre impressões digitais masculinas e femininas.  A amplitude das cristas de impressões digitais dos homens é nove por cento maior que a das mulheres.  Usando essas informações, Kantner e McKinney examinaram 985 peças de fragmentos de cerâmica quebradas em Blue J, um sítio arqueológico no Chaco Canyon que data dos séculos 10 e 11 da era cristã.

 De acordo com o novo estudo do Proceedings of the National Academies of Sciences, cerca de 47% dos fragmentos tinham impressões digitais correspondentes a homens e 40% eram de mulheres ou jovens.  Outros 12% não foram conclusivos.  Além disso, as porcentagens mudaram ao longo do tempo.  Entre os fragmentos mais antigos de cerâmica, as impressões digitais masculinas apareceram em 66%.  No entanto, no final do período representado, homens e mulheres fizeram potes igualmente.

 “Isso certamente desafia a noção de que um gênero estava envolvido em cerâmica e um claramente não estava”, diz Kantner a Donahue.  “Talvez possamos começar a pensar se isso também é verdade para outras atividades que ocorreram nesta comunidade no momento e desafiar a idéia de que gênero é uma das primeiras coisas a se dividir no trabalho de uma comunidade”.

 De acordo com um comunicado de imprensa, as mudanças de gênero na fabricação de cerâmica ocorreram durante um período em que o Chaco estava se tornando um importante centro político e religioso da região.  O aumento da demanda por produtos de cerâmica pode ter causado mudanças nos papéis tradicionais de gênero.  “Os resultados desafiam suposições anteriores sobre divisões de trabalho por gênero nas sociedades antigas e sugerem uma abordagem complexa aos papéis de gênero ao longo do tempo”, diz Kantner.

 Barbara Mills, especialista em cerâmica da Universidade do Arizona, diz a Donahue que as descobertas concordam com o que os pesquisadores sabem sobre especialização.  Os homens tendem a se envolver em atividades como fazer panelas quando o produto é procurado e, com frequência, toda a sua família se envolve na produção.

 Não está claro quais fatores levaram mais homens a começar a fazer panelas de barro em torno do Chaco, mas Kantner diz que grandes quantidades de mercadorias estavam fluindo para o Chaco Canyon durante esse período.  É possível que a procura por mais utensílios de Cerâmica no Chaco tenha levado mais homens a trabalharem com cerâmica nas comunidades vizinhas para fornecer todo os utensílios cerâmicos  necessário para as Comunicades Indígenas.

 Kantner diz no comunicado que entender o gênero das pessoas que fizeram as panelas tem algo a dizer sobre as sociedades antigas além do Chaco.  “Uma compreensão da divisão do trabalho em diferentes sociedades, e especialmente como ela evoluiu na espécie humana, é fundamental para a maioria das análises dos sistemas sociais, políticos e econômicos”, diz ele.

 Em muitos casos, essas divisões do trabalho não são imediatamente aparentes e precisam ser tiradas do registro arqueológico.  No mês passado, um estudo sobre os dentes desgastados de uma mulher no Egito revelou que ela provavelmente estava envolvida na produção de produtos de papiro, como cestas e tapetes, algo que não havia sido registrado anteriormente.  O registro escrito do Egito apresenta mulheres desempenhando certos papéis especializados, como sacerdotisa, enlutada, parteira e tecelã, mas não representa as contribuições econômicas de mulheres comuns.  No início deste ano, outro estudo encontrou pigmento azul nos dentes de uma freira medieval, indicando que ela iluminava manuscritos, uma profissão que se acreditava anteriormente ser o domínio de monges do sexo masculino.

 Ao reexaminar os artefatos deixados para trás pelas culturas antigas, podemos começar a entender as maneiras complexas que mulheres e homens contribuíram para as sociedades do passado.

 Jason Daley é um escritor de Madison, Wisconsin, especializado em história natural, ciência, viagens e meio ambiente.  Seu trabalho foi publicado em Discover, Popular Science, Outside, Men’s Journal e outras revistas.

 Pr Jason Daley

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Precisa de ajuda?